Solidão, Veneno, Vício e… Prazer! -Thiago.

LIBERTA!

A solidão é o veneno. É a droga. É a cura. É o abraço amargo e morno do “caminho”. Muitas vezes sem amor, incompreendido e sem iguais. Este é o caminho das bordas, é o caminho das insignificâncias e das discórdias. É também o caminho do professor, muitas vezes mestre, outras vezes apenas um artista do mundo, da vida. É o caminho do “autodidata”, daquele fulano bom com línguas, do “diferentão”, do “emo”, do “natureba”, do viado. É também o caminho da união, a gente sabe que lá fora, no mundo tem mais alguém com o mesmo amor no coração. A gente sabe, a gente sente, a gente também ama. Quase sempre incompreendidos. Destruídos. Destituídos de “normalidade”. Geralmente é a mulher perversa, a “sapatona”, a macumbeira ou louca. Mas sempre é alguém na borda, no final, fora e sem padrão. “Sem padrão é errado.” É o que propagam por vezes até inconscientemente. E assim a gente se reprime, mente, corrompe pouco a pouco a corrente. Não deixe de Ser, de se orgulhar! De olhar no espelho e se lembrar do “autoamor”. De sentir a carne viva e cheia de necessidades espontâneas saltando! Sentindo a igualdade que comove. Exergando não como se quer, mas como realmente é. No fundo e no fundo não há diferenças tãaao significativas. De perto, bem de perto, todo mundo é bastante normal, Superficial. – “Ora, pois Assuma pra ti toda essa Normalidade! Você não é… “especial“.


Sempre bom lembrar. (: :*@algumthiago